Franchising na Região Sul fatura mais de R$ 10 bilhões no 1º semestre de 2016


O mercado sulista expandiu 7,5%, chegando a 22.160 unidades

Segundo o mais recente balanço da Associação Brasileira de Franchising – ABF, o mercado de franquias na Região Sul faturou cerca de R$ 10,3 bilhões no primeiro semestre deste ano, o que representa mais de 15% do faturamento do mercado nacional de franquias no período, que foi de R$ 68,888 bilhões.

De janeiro a junho de 2016, o mercado nacional de franquias teve um crescimento nominal de 7,9% no faturamento. Dentre os segmentos que apresentaram maior crescimento no segundo trimestre de 2016 comparado a igual período do ano anterior, destacam-se: Esporte, Saúde, Beleza e Lazer (15%), Acessórios Pessoais e Calçados (10%), Negócios, Serviços e Outros Varejos (10%), Lavandaria, Limpeza e Conservação (9%) e Serviços Automotivos (9%).

Neste primeiro semestre, o mercado do Sul expandiu 7,5% e possui 22.160 unidades, o que representa 15,9% do mercado nacional. “Em marcas, crescemos 2,5% nos primeiros seis meses de 2016, somando 525 redes. Esses números provam que o Sul tem uma grande importância no sistema de franquias brasileiro e que as empresas do setor na região têm trabalhado duro para manter e expandir seus negócios com a certeza de que há espaço e boas oportunidades de crescimento”, destaca a diretora da regional Sul da ABF, Fabiana Estrela.

A Região é responsável por 16,5 % das redes no Brasil e diversas delas têm projeção nacional. É o caso, por exemplo, do O Boticário, que é a maior rede em números de unidades no País e líder mundial no segmento de cosméticos; iGUi, pioneira no mercado e maior rede de franquias de piscinas em fibra de vidro do mundo; Hering Store, Mormaii, entre outras.

Mesmo em tempos de instabilidade econômica, todos os estados da Região Sul são importantes e têm potencial para crescer não só em 2016, mas nos próximos anos. O Sul é uma região com excelentes oportunidades para os diversos segmentos de franquias. “Temos muitos municípios que possuem estrutura para receber grandes marcas e expandir suas unidades. É perceptível que o movimento do franchising para o interior se tornou mais intenso, chegando a cidades com menos de 50 mil habitantes. Várias cidades do interior se desenvolveram muito, formando um novo mercado potencial”, conclui a diretora.