Tássia escreve a cada 15 dias, sempre nas sextas-feiras.
Era uma vez o livro que eu não li


De acordo com a Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, a média de livros que um brasileiro lê por ano é de 2,43. Esse dado é assustador, eu sei. Ainda mais se compararmos com a média da Índia, primeiro lugar no ranking mundial de leitura. Os indianos leem uma média de 10 livros por ano e utilizam 10 horas e quarenta e dois minutos de seu tempo semanal para a leitura de livros.

Mas por que os brasileiros leem tão pouco? A mesma pesquisa apurou que algumas das razões são falta de tempo (32%) e cansaço para ler (4%). Vejo esses números e super me identifico, afinal, se tem uma coisa me falta hoje em dia é tempo. A semana passa voando e não consigo fazer coisas básicas, dentre elas o que para mim era básico, que é ler. Vamos lá: trabalho 8h por dia na mesma Instituição, depois disso trabalho por conta mais uma 2h por dia. Quando consigo, gasto 1h30 na academia, no máximo três vezes por semana. Aí sobra tempo para comer, tomar banho, arrumar a casa, ligar para os meus pais, responder as mensagens no Whats App que foram ignoradas ao longo do dia, pagar contas e, quando vê, já passou da meia noite.  Só então que vou pegar um livro. Mas aí o sono bate e.... zzzzz. Era uma vez uma história não lida mais uma vez.

Sendo assim, acho que essa justificativa é super aceitável, mas aí outro dado me faz refletir de novo.  A leitura ficou em 10º lugar quando o assunto é o que se gosta de fazer no tempo livre. Perdeu para assistir televisão (73%). Gente, fiquei chocada. Como pode o livro perder para a televisão? Não faço ideia de quanto tempo não assisto TV. Não sei o nome das novelas e nem dos programas. Só de pensar em ver TV já me sinto um pouco mais burra. Sim, eu tenho preconceito com quem vê televisão – mesmo que meus parentes façam isso. Isso não me faz amar menos ninguém, só me faz lamentar a escolha infeliz deles.

Dito isso, concordo que a gente não tenha tempo para ler ou fique cansado, mas aí não me venha com esse papo se no seu tempo livre a escolha foi ver Ratinho, Silvio Santos, Faustão, whatever. Então seja honesto e prefira dizer que não gosta de ler e ajude na fidelidade das estatísticas (mesmo que seja para o meu mais profundo pesar). O meu tempo livre geralmente é usado pra trabalhar em outros projetos, estudar, ver amigos e ler, mas jamais para ver TV. Tanto que as TVs que têm na minha casa começaram a estragar por falta de uso. Vamos lá? Que tal pegar um livro e ir para um parque com um chimarrão? Acredite em mim, vai valer a pena. Leitura estimula criativa, educa, gera conhecimento, melhora seu português, desenvolve você profissionalmente e pessoalmente, distrai, previne o Alzheimer, alivia o estresse e te traz bem-estar. Alooouu!

Diariamente me sinto culpada por não conseguir ler o tanto que eu gostaria, especialmente livros. Para piorar a situação, tenho uma estante de livros na frente da minha cama. Isso faz com que eu durma com peso na consciência. Vejo que tenho muitos livros não lidos e, mesmo assim, quando recebo e-mails da Amazon, Saraiva ou Submarino, fico tentada com os títulos indicados. E como se não bastasse, ainda me associei à Biblioteca da empresa que trabalho.

O que me consola é saber que mesmo que eu não leia os livros que quero, leio muitos artigos e materiais diariamente. Esse tal de Pocket, aplicativo que permite que salvemos links para ler depois, é uma benção, pois basta ter uma fila de banco, na parada de ônibus ou qualquer tipo de espera, que ele pode ser aberto para ser lido. E aí minha consciência fica mais tranquila ao menos quanto à relação dos livros com a saúde, pois pesquisadores de Yale publicaram na revista "Social Science and Medicine" um estudo que diz que pessoas que leem livros vivem até dois anos mais que quem não lê. Pelo menos dois anos a mais estão garantidos. Só não sei se eles serão suficientes pra por a leitura atrasada em dia.