Tássia escreve a cada 15 dias, sempre nas sextas-feiras.
Homens, de que lado vocês estão?

Volta e meia testemunho pais orgulhosos de suas filhas enobrecendo-as em alto e bom som para os amigos. Quando pequena, tão esperta. Adolescente, a mais inteligente da turma. Na faculdade, já estava empregada. Formada, uma mulher feita com uma carreira em ascensão. “Ah, a minha filha passou na faculdade pública, cursou Direito, foi aprovada de cara na OAB e logo depois num concurso público, e hoje tem sua casa, seu carro e seu marido (mas não depende financeiramente dele)”. Aí me questiono: se os pais se orgulham tanto das mulheres que suas filhas se tornaram, eles não deveriam estar mais atentos à causa feminista? Não sabem eles que para suas filhas chegarem aonde chegaram elas precisaram provar sua competência trilhando um caminho bem mais acidentado do que os homens percorrem? Não sabem que, mesmo diante das conquistas, lutam diariamente para terem o mesmo reconhecimento profissional e financeiro dos homens no seu dia a dia?

Creio eu que grande parte dos pais, se não a maioria, sonha que sua filha vá longe. Dificilmente um pai irá desejar que sua filha seja uma Gata Borralheira ou até mesmo uma princesa dondoca dependente financeiramente do marido e submissa à ele. Partindo desse pressuposto, saliento a importância dos homens serem mais engajadoscom as questões feministas. Aqueles que dizem que somos chatas com essa história de direitos iguais (que às vezes, realmente, foge do objetivo central e dá margem para as críticas), talvez não estejam olhando por um ângulo maior. Não deviam eles, antes de criticar, pensar que suas filhas, namoradas, irmãs, esposas ou mães merecem as mesmas oportunidades que eles, já que têm tantas competências?

Obviamente homens e mulheres não são seres iguais, o que não significa que não devemos ter direitos iguais, capiche? Homens são melhores em algumas coisas, mulheres em outras, e tá tudo certo, oras. O que defendo vai muito além de qualquer competitividade boba que não vai dar em nada. Não quero saber se a mulher dirige melhor ou pior e se o homem vai ser sempre o dono da bola. Eu estou falando é de igualdade! Queremos ser pagas de igual forma pelo mesmo trabalho. Queremos crescer sem a pressão para ter filhos antes dos 30 ou de casar sem ter certeza. Queremos abrir mão do papel de dona de casa e por aí vai.

Aproveitando o ensejo, vou dar um exemplo que me veio agora, a partir de uma leitura que fiz. O livro falava de mulheres e religião. Buenas, confesso que tenho problemas para me enquadrar em alguma religião. Tenho fé em Deus, mas não concordo que a vida do homem que foi Jesus Cristo, seus seguidores e aquelas histórias que estão na Bíblia possam servir de base para todas as situações nos dias de hoje. Como podem algumas mulheres, hoje em dia, ainda defenderem que por termos teoricamente nascido da costela de Adão viemos ao mundo para sermos o que faltava na vida dos homens, a auxiliadora que eles precisam? Que devemos ser submissas a eles, deixando que eles tenham a palavra final mesmo quando não estão certos? Não estou dizendo que eles não possam ter. Estou dizendo que isso depende de casal para casal. Na Bíblia diz que o homem é a cabeça e a mulher é o corpo. Discordo. Acho que o homem pode ser a cabeça e o corpo em alguns relacionamentos, assim como a mulher pode ser a cabeça e ele o corpo. A questão é que não se trata de uma disputa. Estamos falando de igualdade de gêneros, e igualdade não é sermos superiores aos homens e, sim, como eles - se assim o desejarmos. Ou seja, se você é feliz sendo uma mulher submissa ao seu marido, eu não condeno, pois você tem o direito de escolha. Tem DIREITO. Direitos iguais.

Pois é, homem, talvez você seja o marido que nunca deixou a esposa trabalhar por ciúmes e pelo instinto de macho dominador. Em compensação, sua filha é um exemplo no mercado de trabalho que só te dá orgulho. Será que não é chegada a hora de você abrir sua mente e perceber que não há dois lados? Há dois sexos: feminino e masculino. Mas há apenas um lado: o do ser humano.